Site do Confea
Legislação > Consulta Geral
APRESENTAÇÃO
CONSULTA GERAL
CONSULTA POR ASSUNTO
 
- 27/05/2021
Resolução - Altera a Resolução nº 1.066, de 25 de setembro de 2015.
- 24/03/2021
Resolução - Altera o regimento do Colégio de Entidades Nacionais do Confea – CDEN, aprovado pela Resolução nº 1.056, de 30 de...
- 11/12/2020
Resolução - Define o título profissional e discrimina as atividades e competências profissionais do engenheiro de produção e do...
- 11/12/2020
Resolução - Altera a Resolução nº 1.030, de 17 de dezembro de 2010, que institui o Programa de Desenvolvimento Sustentável do...
- 10/12/2020
Resolução - Dispõe sobre os procedimentos para cobrança administrativa, inscrição de débito em Dívida Ativa, parcelamentos e...
 
Portarias sobre diárias
Calendário de Sessões Plenárias.


RESOLUÇÃO Nº 424, DE 18 DE DEZEMBRO DE 1998.

Dispõe sobre a interrupção temporária do registro profissional e a isenção do pagamento de anuidade enquanto perdurar tal situação.



O Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia, no uso das atribuições que lhe faculta a alínea "f" do artigo 27 da Lei n° 5.194/66,



CONSIDERANDO o disposto nos artigos 55 e 63 da Lei n° 5.194/66, que tratam da obrigatoriedade de registro dos profissionais nos CREAs e o conseqüente pagamento das anuidades devidas, respectivamente,



RESOLVE:

Art. 1° - Facultar a todos os profissionais das áreas da Engenharia, Arquitetura, Agronomia, Geologia, Geografia e Meteorologia, registrados e em dia com suas obrigações para com o CREA, a possibilidade de requererem interrupção temporária de seus registros, pelo prazo máximo de 01 (um) ano, podendo ser renovado, nos termos desta Resolução, desde que atendam às seguintes condições:

- comprovar ou firmar declaração, de sua inteira responsabilidade, sob as penas da Lei, de que, a partir da data desta declaração, não se encontra em atividade na área de sua formação, e que assim permanecerá até que venha a requerer o cancelamento da interrupção temporária para poder exercer a profissão, bem como informar o endereço atualizado para correspondência;
- estar em dia com o pagamento das anuidades dos exercícios anteriores, inclusive com a relativa ao ano de formalização do pleito ora facultado, bem como de quaisquer outros débitos junto ao CREA;
- inexistência, no âmbito do sistema CONFEA/CREA, de qualquer processo (concluído, não concluído ou em tramitação) contra o profissional interessado, por infração a dispositivos das Leis n° 5.194/66 e 6.496/77, especialmente as relativas ao Código de Ética Profissional; e
– solicitar baixa das ARTs de interesse do profissional, relativas a serviços executados ou em andamento.
Parágrafo 1° - O profissional interessado deverá ser informado, no ato de formalização do pedido de interrupção temporária do registro, dos termos do art. 9° e o seu parágrafo único desta Resolução.

Parágrafo 2° - Será solicitada comprovação de pagamento de anuidades somente no caso de não existir registro desse fato no CREA, ou de o profissional haver quitado em outro Regional onde possuir "visto".

Parágrafo 3° - Excluem-se os ocupantes de cargo ou emprego público, para o exercício do qual seja exigida a formação de nível técnico ou superior, e para cujo concurso ou processo seletivo tenha sido utilizado o título profissional de Engenheiro, Arquiteto, Agrônomo, Geólogo, Geógrafo, Meteorologista, Tecnólogo ou Técnico de 2° grau;

Artigo 2° - O pedido de interrupção temporária do registro profissional, após procedidas as análises técnicas e jurídicas no âmbito do respectivo CREA, deverá ser submetido à apreciação e decisão da Câmara Especializada pertinente, ou ao Plenário, se não existir a aludida Câmara.

Artigo 3° - O requerimento e a declaração, acompanhados de cópia dos comprovantes ora exigidos, deverão ser protocolizados junto ao CREA, bem como formalizado processo específico.

Artigo 4° - Após apreciação e decisão da Câmara Especializada ou do Plenário (no caso de não existir a Câmara aludida), o interessado deverá ser imediatamente comunicado a respeito.

Artigo 5° - A decisão de interrupção temporária do registro profissional implica a devolução das carteiras, de identidade e de anotações, as quais serão guardadas pelo CREA, bem como a anotação em pasta de registro, sistemas informatizados existentes e na carteira de anotações do profissional interessado.

Parágrafo único – O CREA fornecerá Certificado ao profissional, informando da suspensão aludida, bem como dos seus motivos.

Artigo 6° - A interrupção temporária do registro profissional deverá ter, sempre, como data inicial, o primeiro dia útil do mês subseqüente ao do pedido de interrupção temporária.

Artigo 7° - Durante o período de vigência da concessão de interrupção de suas atividades, o profissional ficará isento do pagamento da anuidade profissional junto ao CREA.

Parágrafo único – Enquanto perdurar a interrupção, não poderá ser fornecida ao profissional Certidão de Acervo Técnico.

Artigo 8° - O profissional que assim o desejar poderá, em qualquer época, solicitar a reativação dos procedimentos relativos ao retorno de seu registro profissional, quando lhe serão devolvidas as 02(duas) carteiras, de identidade e de anotações, cumprindo-lhe, no entanto, efetuar o pagamento dos duodécimos restantes da anuidade, contados a partir do mês de retorno, correspondente ao exercício em que formular o pedido.

Parágrafo único – O período de interrupção temporária do registro será objeto de anotação na carteira de anotações do profissional.

Artigo 9° - Constatadas, em qualquer época, falhas ou inveracidades nas declarações, informações ou documentações apresentadas pelo profissional interessado, deverá o Regional reativar de imediato os procedimentos que interromperam o registro profissional do mesmo, comunicando-lhe a respeito, bem como procedendo à abertura de processo criminal por falsidade ideológica.

Parágrafo único – Caso o profissional venha a ser condenado pela Justiça, pelo processo criminal, a Câmara Especializada respectiva, ou, na sua falta, o Plenário do CREA deverá aplicar-lhe a penalidade prevista na alínea "e" do artigo 71 da Lei n° 5.194/66.

Artigo 10 – Esta Resolução entrará em vigor na data de sua publicação.

Artigo 11 – Revogam-se as disposições em contrário.



HENRIQUE LUDUVICE

Presidente
LUIS ABÍLIO DE SOUSA NETO

Vice-Presidente




Publicada no DOU, de 08 JAN 1999, Seção I – página 33